O Diabo Mora nos Detalhes


blog02

Existem duas maneiras para se fazer uma infusão. A primeira é aquela que você sabe o que está fazendo, já testou todas as opções e vai para campo com a certeza de que tudo vai correr exatamente como você projetou. A outra é na marra. Esta última às vezes funciona, mas cria um barco frágil com vários locais com impregnação pobre que vai acabar gerando problemas estruturais.

Uma das ferramentas mais interessantes que eu tenho utilizado é o software de modelagem de fluxo (flow mode*) que determina com precisão suíça o local e o tempo correto que a resina vai entrar no laminado e a quantidade ideal de fibra e resina para cada tipo de barco. Para utilizar o software é necessário gerar as curvas de permeabilidade de cada parte do barco, o que é feito através de um teste simples colocando resina de um lado de uma placa plana e medindo a velocidade do escoamento. Depois de um certo tempo, você acaba tendo um banco de dados grande com uma infinidade de padrões de laminação e aí tudo fica mais fácil.

Outro ponto importante é a quantidade de pressão. Uma coisa é a pressão medida na bomba de vácuo, outra é a pressão real dentro do laminado, e esta diferença pode significar um desastre completo. Sugiro sempre utilizar um medidor de ultra-som para procurar pequenos vazamentos que juntos acabam inviabilizando qualquer infusão. Se a pressão inicial não for de 720mm/Hg e a queda em 5 minutos menor que 50mm/Hg a chance de falha vai ser considerável.

Por fim, não é qualquer resina que serve para infusão, e mesmo entre as resinas de infusão existe grande variação de viscosidade, molhabilidade e cura. Procure uma resina que tenha comprovado sucesso e se mantenha nos padrões de catalisação que o fabricante recomenda. Incorretamente uma resina com mais tempo de infusão é melhor, ao contrario, ela acaba gerando uma matriz sub-curada que ao invés de ficar rígida vira um plástico maleável, e aí todo mundo já sabe qual vai ser o resultado.  Não atentar aos detalhes é despertar o diabo escondido em cada um deles.

* saiba mais sobre Flow Model: www.manualdeconstrucaodebarcos.com.br/Site/?p=1126

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>