Defeitos no Gelcoat – Parte 1

O gelcoat é a primeira camada do laminado e garante o acabamento primoroso do casco e outras estruturas náuticas. Diversos posts no blog já discutiram detalhes de sua formulação e aplicação, mas ainda existe uma longa lista de defeitos que podem ocorrer nessas etapas e durante a operação da embarcação.

O enrugamento é um exemplo disso e pode ser causado pela aplicação de uma camada muito fina de gelcoat, pela contaminação do material por solvente ou por uma cura insuficiente. A cura insuficiente pode ocorrer por adição insuficiente de catalisador (MEKP), que deve ficar entre 1% e 2%, ou pela mistura não homogênea do gelcoat com o MEKP.

A aplicação em temperaturas muito baixas também pode dificultar a cura e causar enrugamento ou até mesmo porosidade no gelcoat, que causa um aspecto de casca de laranja que prejudica muito a aparência do acabamento da embarcação. Outras causas para esse fenômeno podem incluir a deposição muito rápida do gelcoat ou o uso excessivo de catalisador, reforçando que é necessário utilizar uma quantidade equilibrada já que excessos causam tantos problemas quanto a falta de agente de cura.

O amarelamento do gelcoat ao longo do tempo é um problema sério enfrentado pelos construtores e não existe um remédio para isso a longo prazo. No entanto, quando ocorre precocemente as razões podem incluir novamente uma catalização incorreta e baixa dispersão de  MEKP ou contaminação do gel por monômero de estireno ou inclusive pela cera desmoldante. Outra possível causa é que a primeira camada do laminado recebeu muita resina, causando uma contaminação do gel.  

Fissuras e trincas também são eventos recorrentes e indesejáveis que podem ser causados principalmente por um espessura muito alta do gelcoat, ressaltando a importância do aplicador ter destreza o suficiente para alcançar a espessura de 0,6mm com uma variação de dois décimos de milímetros apenas. Uma baixa adesão entre o gelcoat e o laminado também pode causar essas falhas, então deve-se garantir a compatibilidade entre esse elemento e a resina utilizada na laminação.

Outras causas incluem um grande esforço de desmoldagem causado pelo uso de um desmoldante ineficiente ou aplicação malfeita e, por fim, uma formulação muito rígida de gelcoat. Essa última causa pode ser evitada com o uso de formulações comerciais que foram altamente otimizadas e desenvolvidas para essa aplicação.

É possível perceber nessa primeira parte da discussão dos defeitos no gelcoat que uma formulação equilibrada aliada com uma cura feita nas condições ideais e um aplicador com destreza são fundamentais para garantia da qualidade do acabamento de uma embarcação. O post da próxima semana vai cobrir mais alguns tipos de defeitos e suas causas e mais detalhes podem ser explorados no livro Processo de Infusão a Vácuo em Composites.

Comentários (6)

    • Barracuda Composites disse:

      Juca,
      Não é o recomndável, mas não é impossível. O rolinho é melhor do que o pincel pois cobre uma area maior. Usando o rolo, a sugestão e aplicar duas camadas para ter uma boa cobertura.

    • Barracuda Composites disse:

      Oi Veronica,
      Bem notado! O gelcoat de molde tem cores como verde escuro, laranja ou preto para poder diferenciar quando se aplica um gelcoat branco. Lembre que 90% dos barcos até um tempo atrás eram brancos. Hoje em dia, tem vários barcos de cores diferentes mas eles são pintados com tinta poliuretano sobre um gelcoat branco.

  • Youngster Lucas disse:

    Boa Noite,
    Para aplicação de gelcoat no casco de uma lancha que esta sendo reformada, posso aplicar um demão de gelcoat, esperar secar e aplicar outra demão com parafina? Qual o melhor intervalo de tempo entre demãos?

    • Barracuda Composites disse:

      Olá Youngster!

      Pode sim mas você vai ter que esperar a primeira camada secar totalmente. Provavelmente aplicar de um dia para o outro.

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *